Quinta dos Manacás: menu-degustação com orgânicos em um lindo cantinho de Pedra Azul

A pequena São José do Alto Viçosa, em Venda Nova, abriga hoje um dos mais belos restaurantes do Espírito Santo, o Quinta dos Manacás. A beleza do lugar impressiona logo ao fim da curva na estrada de terra – que no percurso de 3,5 km revela outras bonitas paisagens. O novo reduto gastronômico do circuito de Pedra Azul nasceu em janeiro, de uma história linda, contada a mim pela proprietária, Cida Gomes.

IMG_6828
Cida me mostrou cada cantinho do restaurante, toda orgulhosa do jardim que ela idealizou – Foto: Fábio Machado

“A história do Quinta dos Manacás começou, na verdade, há 38 anos, quando meu filho nasceu. Adquiri uma propriedade para plantar verduras e legumes sem agrotóxicos para alimentá-lo, e esse conceito esteve presente em nossas vidas desde então. Agora que me aposentei, resolvi estender isso para meus amigos e construí esse lugar. Aí pensei: por que não abri-lo para mais pessoas? É tanta beleza, ar puro…Ouve só o barulhinho daqui”, comenta, cheia de orgulho. Há muitos pássaros cantando, o tempo todo.

IMG_6820
Entrada principal dá acesso ao bar – Foto: Fábio Machado

Marcado por referências provençais, o projeto do arquiteto Manoel Falcão prevê uma pousada com bangalôs distribuídos em uma área mais elevada do terreno. Enquanto não há essa opção de hospedagem, vale a pena sair de Vitória num sábado, por exemplo, só para passar o dia.

Visitei a casa a convite da Cida e do chef, Duaine Clements (ex-Le Buffet), poucas semanas após a inauguração, para um almoço com menu-degustação. O serviço começou no jardim, onde os clientes são recebidos com água saborizada e canapés de cortesia. Os meus foram estes:

A técnica apurada do Duaine me alegrou nos cones de caviar espanhol com crème fraîche e mais ainda nos crostinis de ricota fresca com tomate cereja, que achei divinos.

Radicado no Espírito Santo desde 2013, o chef norte-americano já trabalhou com dois grandes ícones da gastronomia: Joël Robuchon (L’Atelier) e Dan Barber (Blue Hill). Sua cozinha é de produto, e praticamente tudo é feito na casa. Os vegetais, orgânicos, vêm das três hortas do restaurante, e os ingredientes regionais têm prioridade máxima.

IMG_9898
Salada Manacá, finalizada com purezinho de cenoura – Foto: Fábio Machado

Após o bate-papo no jardim, que tem cardápio próprio com snacks e drinques (veja aqui alguns itens), pulei para o salão, classudo, onde fui apresentada ao menu-degustação. São cinco etapas, das quais uma entrada, três principais e uma sobremesa, a R$ 190 por pessoa.

Talheres de prata, guardanapos de linho, serviço pomposo…bem, o que me interessava mesmo era a comida. Veio, então, a Salada Manacá, linda como todas as saladas que já vi do Duaine ainda no Le Buffet. Tava ótima.

Em seguida, veio o lombo de bacalhau com mini-arroz integral e molho de damasco, bem gostoso. Curti mais a galinha d’angola com purê de pupunha, spatzle, framboesa fresca e mel, e pediria como prato principal numa volta ao restaurante. Depois dela veio o meu favorito, o cordeiro (macio, macio, e com um molho sensacional) escoltado por milfolhas de batata, tomate seco e cebola roxa defumada.

Olha ele aí:

IMG_6778
A textura desse cordeiro tava uma coisa <3 – Foto: Fábio Machado

De sobremesa, chegou o crème brûlée de lavanda, coberto por uma calda bem gostosa de frutas vermelhas. A lavanda, que é superdelicada, acabou sumindo 🙁 Mas isso em nada atrapalhou a experiência, que teve um plus: os sorvetes artesanais do Duaine, dos quais eu já tinha ouvido falar e não poderia sair de lá sem experimentar. Lichia, manga e frutas vermelhas, todos maravilhosos.

A carta de vinhos é bem sortida, com opções em taça (a partir de R$ 23) e meia garrafa (a partir de R$ 36). Há tintos de R$ 69 até R$ 1.470 a garrafa e uma boa variedade de brancos, rosés, espumantes e champanhes.

IMG_9900
O serviço de vinho é bem bacana, e a carta é variada – Foto: Fábio Machado

Do à la carte, fiquei a fim de provar o tortelini de rabada com emulsão de alecrim (entrada) e o mignon com cavatelli ao molho porcini e redução de Vinho do Porto (principal). Só de pensar nesses pratos, bateu uma saudade de lá…

QUINTA DOS MANACÁS

Horários: sexta, a partir das 19h. Sábado, almoço e jantar a partir das 12h. Domingo e feriados, almoço a partir das 12h.

Endereço: São José do Alto Viçosa, Venda Nova do Imigrante. Veja o mapa aqui.

Telefones: (28) 99965-9266, (28) 3333-5062 e (27) 99960-3440. Aceita cartões.

Preços: entradas de R$ 24 a R$ 32; principais de R$ 67 a R$ 92; sobremesas R$ 22 cada uma; menu-degustação R$ 190 por pessoa.